Publicidade
Página Inicial

Deputadas contestam pesquisa do IPEA sobre violência contra mulheres

01/04/2014 às 09:36 em Política
2111023131-530012811noticia

Deputadas Eliziane Gama (PPS) e Francisca Primo (PT)

As deputadas Francisca Primo (PT) e Eliziane Gama (PPS) ocuparam a tribuna da Assembleia Legislativa na tarde desta segunda-feira (31), para contestar o resultado de uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgada na quinta-feira (27), revelando números inquietantes e preocupantes com relação à violência contra as mulheres no Brasil.

De acordo com a pesquisa, 65,1% dos entrevistados homens e mulheres concordam com a afirmação: mulheres que usam roupas que mostram o corpo devem ser atacadas. Apenas 25% discordam totalmente. Já 58% concordam com a afirmação de que se as mulheres soubessem como se comportar haveria menos estupros.

Para Francisca Primo, é revoltante nos deparamos com essas atitudes, pois devemos trabalhar para combater esses pensamentos, que ferem a liberdade das mulheres. A deputada solicitou ao presidente da Casa e à imprensa que façam uma campanha contra esse tipo de abuso e violência contra as mulheres.

Da mesma opinião compartilha a deputada Eliziane Gama, expressando indignação e fazendo reflexão acerca do resultado da pesquisa, que dominou as redes sociais e foi destaque no Fantástico da Globo. “ A pesquisa é a reflexão real do que infelizmente é a mulher no inconsciente da população ainda patriarcal no Brasil”, disse.

Eliziane Gama comentou que até a década de 30, no Brasil se afirmava pela maioria da população que a mulher não tinha  direito a votar, não tinha direito à cidadania, não tinha direito a ser votada. Segundo ela, só depois de uma luta grande de várias mulheres no Brasil, dentre elas Berta Lutes, conseguiu-se  romper essa forma discriminatória em relação à mulher no Brasil.

Na avaliação de Eliziane, só depois da instituição da  Lei Maria da Penha, que sofreu por 20 anos sendo agredida pelo próprio marido e ficou numa cadeira de rodas, temos uma lei que proibe agressão contra as mulheres. “Infelizmente, em 2014,  temos uma pesquisa onde mais da metade da população acha que a mulher é culpada por estar sendo estuprada”, lamenta a deputada.

Acompanhe o Blog do Antonio Marcos também no Facebook e no Twitter.

Deixe um comentário


9 + 7 =