Publicidade
Página Inicial

Especialista lista 7 tendências para igrejas em 2020…

03/01/2020 às 05:15 em Geral

Thom S. Rainer mostra como as igrejas se organizarão no próximo ano

O CEO da Church Answers, Thom S. Rainer, especialista em igrejas que tem uma plataforma para ajudar líderes religiosos, listou sete tendências para igrejas em 2020, dando um panorama geral do que irá acontecer nas denominações este ano.

“Como recebemos quantidades volumosas de informações das igrejas no Church Answers, sou capaz de ver milhares de “pontos”. Sou capaz de conectar esses pontos e, muitas vezes, ver uma tendência em andamento”, explica ele ao Christian Post.

Cultos menores

Não confunda esta tendência com sinônimo de declínio de participação. Mesmo nas igrejas em crescimento, é provável que vejamos reuniões de culto menores.

As igrejas em crescimento obviamente terão mais serviços e locais. Essa tendência é congruente com a próxima tendência.

Cultos em outros horários

Haverá um aumento significativo no número de cultos oferecidos em outros horários além da manhã de domingo. Na maioria das comunidades, um terço da força de trabalho precisa trabalhar no domingo de manhã.

Esse número inclui alguns dos membros mais ativos da igreja que precisam trabalhar uma ou duas manhãs de domingo por mês.

Nós acomodamos bem os agricultores com o culto às 11 horas da manhã de domingo no século XIX. Devemos sofrer algumas mudanças importantes 150 anos depois.

Templos menores

As instalações da igreja sofrerão uma transformação dramática. As duas tendências anteriores levam a essa terceira tendência.

Com reuniões de adoração menores e mais opções de serviço, a necessidade de grandes centros ou santuários de adoração diminuirá bastante.

O centro de adoração da “caixa grande” é um fenômeno do Baby Boomer que está desaparecendo.

Outra grande mudança nas instalações da igreja será o compartilhamento desses prédios e salas com outras organizações, mesmo organizações seculares.

Mais participações nas igrejas

A participação se tornará uma ênfase maior. Durante anos, vimos uma aversão em relação aos líderes da igreja enfatizando a presença.

Alguns críticos dizem que os líderes da igreja se concentram demais nos números. Outros dizem que a igreja está onde quer que as pessoas estejam.

O resultado foi um compromisso diminuído de comparecer regularmente. Por que alguém deveria comparecer se a presença realmente não é tão importante? Agora estamos vendo uma inversão dessa atitude.

Mais líderes da igreja percebem que a igreja reunida era uma parte de vital importância na vida da igreja no Novo Testamento. Hoje não deveria ser menos.

Evangelismo voltará a ser importante

O evangelismo retornará ao seu devido lugar de importância e prioridade. Muitas igrejas têm feito coisas boas enquanto negligenciam a prioridade do evangelismo.

O bem se torna o inimigo dos grandes. De fato, muitos líderes e membros da igreja pensam que são evangelísticos simplesmente porque têm eventos convidados pela comunidade.

Evangelismo é o compartilhamento explícito da mensagem do evangelho no poder do Espírito Santo. O evangelismo retornará ao seu lugar de destaque em muitas igrejas.

Menos pastores remunerados em tempo integral

Existem muitos fatores que contribuem para essa realidade. Apenas um deles está relacionado ao declínio do orçamento da igreja.

De fato, vários pastores e funcionários da igreja escolherão a opção bi-vocacional ou co-vocacional.

Igrejas deixando o alinhamento denominacional

Menos igrejas se alinharão exclusivamente às denominações. Algumas das igrejas deixarão completamente seu alinhamento denominacional.

Porém, muitas dessas igrejas verão sua respectiva denominação apenas como uma das muitas parcerias ministeriais. Eles irão se alinhar e financiar várias organizações e redes.

Gospel Prime

Acompanhe o Blog do Antonio Marcos também no Facebook e no Twitter.

Deixe um comentário


+ 1 = 10