Publicidade
Página Inicial

INCENTIVO: Juíza auxiliar do CNJ diz que projetos da “Cemulher” devem ser compartilhados nacionalmente

07/02/2018 às 09:08 em Justiça

Andremara dos Santos visitou a sede da Coordenadoria e conheceu pessoalmente os projetos desenvolvidos pela equipe presidida pela desembargadora Angela Salazar.

TJMA

Juíza Andremara dos Santos conversa com as magistradas e equipes integrantes da Cemulher em São Luís. (Foto: Ribamar Pinheiro/TJMA)

A desembargadora Ângela Salazar, presidente da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça do Maranhão (Cemulher/TJMA) recebeu, nesta terça-feira (6), a visita da juíza auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Andremara dos Santos, e da assessora colaboradora do CNJ, Luiza Helena Lemos da Cruz.

Elas foram recebidas na sede da Coordenadoria – localizada na Rua do Egito, Centro –, quando conheceram os projetos sociais e demais atividades desenvolvidas pela Cemulher, apresentados pela coordenadora Administrativa, Danyelle Bittencourt, entre eles: “Aprendendo com Maria da Penha no Cotidiano”, “Cine Mulher”, “Lei Maria da Penha: caminhos para a reconstrução da cidadania e paz familiar” e o programa da Rádio Web Justiça do Maranhão “Violência de Gênero em debate”.

Para a magistrada Andremara dos Santos, saber in loco dos projetos da Cemulher – os quais ela já tinha conhecimento pelos relatórios enviados ao CNJ – é muito mais inspirador e motiva a gerar um compartilhamento com as outras coordenadorias da Mulher. “Muito importante a atuação, motivação de todos os juízes, inclusive com a participação masculina. É muito gratificante verificar a materialização desses projetos e programas e reconhecer o apoio institucional a eles”, declarou.

A desembargadora Angela Salazar agradeceu o incentivo e disse ser importante a presença de um representante do CNJ para conhecer pessoalmente o trabalho da Coordenadoria da Mulher. “Esse é o nosso objetivo: fazer um trabalho em parceria com o CNJ, com outras instituições, porque a questão do enfrentamento da violência doméstica contra a mulher é de toda a sociedade. Esse é um reconhecimento de nosso trabalho, que divido com nossa equipe”, afirmou.

Participaram da reunião as juízas Larissa Tupinambá (3ª Vara de Pedreiras e assessora da Coordenadoria) e Kariny Reis (auxiliar da Corregedoria) e o técnico judiciário Francisco Gomes.

A Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar foi instituída em 2011 e visa atender todo o Maranhão, oferecendo um conjunto de ferramentas para o enfrentamento à violência doméstica e familiar através da articulação com a Rede de Enfrentamento e execução de projetos e políticas institucionais.

Da Assessoria

Acompanhe o Blog do Antonio Marcos também no Facebook e no Twitter.

Deixe um comentário


+ 2 = 4