Publicidade
Página Inicial

Literatura: 2º livro do desembargador João Santana traz contos e poesias inspirados na infância

08/07/2019 às 14:31 em Geral

O desembargador João Santana escreveu o livro inspirado em suas memórias de criança (Foto: Ribamar Pinheiro)

Com o título “Zé Catucá – Contos e Poesias”, o livro do desembargador do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), João Santana, é inspirado em suas memórias de criança – assim como em sua primeira obra “Menino Passarinheiro: O Poeta dos Passarinhos” – quando lia seus primeiros contos e ouvia as histórias narradas por seu pai em tenra idade.

A obra é composta por quarenta contos e poesias, sendo quatro poesias, de autoria de uma criança que as escreveu quando tinha apenas 8 anos, chamada Caio César.

Para o autor, o livro remete “àquilo que ficou gravado na minha memória, o que significa dizer de como é importante a presença da leitura na vida das crianças, naquele momento em que elas têm sede de saber”.

Sobre o Caio César, o desembargador afirma que ficou impressionado pelo talento e qualidade das poesias do menino. A publicação também representa um incentivo à escrita pelos pequenos autores e à leitura nos primeiros anos da infância.

Para o juiz de Direito, Aureliano Neto, autor do prefácio do livro, “Zé Catucá – Contos e Poesias”, é uma obra literária de muito sentimento. “Num lamento de muita poeticidade, tanto na prosa como no verso, este contista e poeta dos sentimentos do mundo mexe no fundo de nossas vísceras, como o oleiro a fazer o tijolo do dia a dia”, exprimiu Neto.

O título da obra faz alusão a um personagem que viveu em um povoado no sertão de Grajaú, na margem direita do Rio Grajaú, oposta à margem onde nasceu João Santana, num lugar chamado “Queira-Deus”.

Homem de posses, valente e temido, cuja filha vive um amor proibido. Sobre o conto “A morte de Zé Catucá”, Aureliano Neto diz: “É uma narrativa literariamente de excelente qualidade. Digna dos grandes contistas da literatura brasileira”.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

João Santana publicou, em dezembro de 2015, sua autobiografia “Menino Passarinheiro – o poeta dos passarinhos” e é autor de diversas publicações na Revista da Escola Superior de Magistratura do Maranhão (ESMAM), entre acórdãos e sentenças judiciais.

A respeito da poesia e de sua nova obra literária, ele afirma “já disse noutro momento que a poesia me inspira, que ela me satisfaz, que faz a minha alegria. Neste livro continuo me divertindo com a alegria dos passarinhos”.

Danielle Limeira
Comunicação Social do TJMA

Acompanhe o Blog do Antonio Marcos também no Facebook e no Twitter.

Deixe um comentário


+ 9 = 13