Publicidade
Página Inicial

Deu no Blog Noticias do Freire: Moradores denunciam calamidade no Jardim de Alah e outros Bairros de Açailandia-MA

14/03/2011 às 20:46 em Sem categoria


Dr.Walter Maxuel fazendo o trabalho da prefeitura
Neste domingo recebemos denuncias de moradores do Jardim de Ala dando conta de que as ruas estavam em estado de calamidade.
Fomos verificar a informação como sempre e nos deparamos com algumas cenas tristes da nossa “Futura Metrópole”.
Logo no início do bairro encontramos um cenário de descaso total com a infra-estrutura, a Avenida do contorno, principal rua do bairro estava cheia de lama e lixo nas calçadas, nem o cemitério escapou, coitado dos mortos, até eles estão se contaminando com o lixão que está se transformando a cidade.
Os carros estão evitando passar pelo local para não quebrarem seus veículos.
Mais na frente vimos uma cena ainda pior.
Em frente à casa do médico Walter Maxsuel que já foi até vice-prefeito na primeira gestão do Prefeito Ildemar, havia enormes buracos na porta que impediam a entrada do veiculo da família, revoltado com o descaso, o próprio médico foi em busca da solução, conseguiu arrumar uma boa quantidade de escorias de construção e com a ajuda de um funcionário tapou parte do buraco para possibilitar a entrada do seu carro na garagem.
Conversando com o Dr. Walter uma frase dele me chamou a atenção.
Ele disse, “Dá raiva a gente olhar e ver uma desgraça dessas na cidade, acho que todo mundo que votou nesse prefeito (Ildemar Gonçalves), assim como eu, deve está revoltado e arrependido do mau que fizemos para nossa cidade”.
Em outras partes do bairro encontramos mais situações críticas, terrenos baldios oferecendo riscos aos moradores, lixo, buracos e lama, uma total falta de cuidados com a cidade, a revolta dos moradores está por toda parte.
Gilberto Freire
Postado por Gilberto Freire às Segunda-feira, Março 14, 2011 0 comentários

O INFELIZ JACU CONDENADO

Por Eduardo Hirata

As chuvas da noite do sábado, 12, e da madrugada deste domingo, 13/03, fizeram o córrego do Jacu”… parecido com o Tocantins…”, no dizer de um líder comunitário do bairro.
A “prainha do Jacu”, área costumeira e reiterada de alagamentos, de desalojados/as e desabrigados/as, tornou-se um imenso e agitado “lago”…
A “erosão do Jacu” cresceu mais alguns metros (de comprimento, largura, profundidade) e destruiu mais outros tantos metros cúbicos de solo (barrancos que teimosamente pretendem resistir à força das águas…)…
A “estradinha” ou rua que ligava o final da Rua Pedro Alvares Cabral à “prainha do Jacu”, foi cortada, expondo assustadoramente as entranhas de um morro que “sustenta” dezenas de moradias…
No campinho da “obra da erosão” (Praça da Esperança?…) , onde segundo o líder comunitário, João Luís, a Prefeitura Municipal investira cerca de um milhão de reais, conforme a Assessora de Comunicação, Maria do Carmo, meninos jogam bola, indiferentes à chuvinha fina que caia, no meio da manhã do domingo carregado…
Outros meninos, no alto de visão privilegiada para “ a erosão, as obras, a prainha do Jacu”, soltam pipa…
Os destroços das obras se apresentam na forma de umas quarenta grandes manilhas, em meio à lama, e em dezenas de “cortes e felizmente, por ora, pequenos desbarrancamentos/deslizamentos”…
Até quando, é a pergunta que ninguém mais faz por lá; todos sabem na ponta da língua qual é a saída, segundo João Luís: é respeitar a natureza, retirar todo aquele povo,  resgatar a área, conservando-a então no seu estado mais natural possível…
Em Açailândia, que já vive a dezenas de anos o drama de centenas de família do Pequiá de Baixo, vitimadas brutalmente pela poluição gerada pelo “progresso das siderúrgicas”; que têm dezenas e dezenas de locais erodidos e em processo acelerado de erosão, além do infeliz “Jacu” (Capellozza, Bom Jardim, Vila Tancredo/GETAT.; Vila Ildemar, etc.,etc.), urge uma política habitacional, de saneamento, de ocupação do solo.
Não dá mais para continuar do jeito que está; tragédia(s) estão em formação, ainda dá tempo para evitar o pior…  
 
Acompanhe o Blog do Antonio Marcos também no Facebook e no Twitter.

Deixe um comentário


7 − 4 =