Publicidade
Página Inicial

Vereador Pedro Pacheco “rosna como pit-bull”, más age como um gatinho mansinho

26/05/2021 às 15:04 em Sem categoria

O vereador “surtou” após o blog denunciar o plano maléfico de Léo Cunha (seu aliado), que com a “conivência” da maioria dos vereadores, planejavam aumentar o valor da taxa de iluminação pública!

O vereador de Estreito, Pedro Pacheco (DEM), usou a tribuna da Câmara durante a sessão de ontem terça-feira (25), para desabafar sobre uma matéria publicada pelo blog, que denuncia um plano maléfico dol prefeito Léo Cunha, de aumentar a taxa de iluminação pública. O gestor encaminharia a casa de Leis uma proposta, inclusive com pedido de dispensa de interticios, segundo informações.

O vereador visivelmente alterado, mostrado total despreparo para ocupar o cargo, definiu a palavra “conluio” utilizada no título da matéria, como um “desrespeito” ao poder legislativo. Segundo ele, conluio é uma palavra de caráter “negativo” citando a definição do significado da palavra empregada. Pedro Pacheco tem razão, não existe como tratar qualquer reajuste de impostos, taxas e tarifas abusivas, num momento critico como esse que o país enfrenta (PANDEMIA), como coisa boa.

Embora muitos neguem, a discussão sobre esta possibilidade, vinha sendo ventilada nos bastidores entre os próprios vereadores que que dão sustentação ao prefeito. O medo do impacto negativo de um projeto desta natureza, fez com que muitos dos representantes do legislativo simplesmente ficassem em “silêncio sepulcral”.

A revolta na verdade de alguns, inclusive do “valentão”, se explica pelo fato de que a intenção morreu no seu nascimento e nenhum de seus pares terá coragem de colocar um “projeto imoral” desses em pauta, após a grande repercussão da denúncia..

Pedro Pacheco que era oposição ferrenha ao atual prefeito, estranhamente dormiu oposição e acordou “amigo” e defensor do gestor. Por essa mudança repentina, o parlamentar é motivo de chacota, pois foge dos próprios colegas professores que o elegeram, como diabo foge da cruz.

A classe da educação deveria ser a principal luta do vereador, o momento seria ideal, pois os professores estão sendo humilhados e ignorados pela atual gestão. Enquanto isso Pacheco assiste tudo de camarote e não faz nada para mudar a situação. Se de fato tivesse compromisso com a população, em especial com sua classe, levaria para a tribuna da câmara, cobranças enérgicas ao prefeito Léo Cunha, para que este não seja tão perverso com os professores, que vêm comendo “maus bocados”.

Como é do conhecimento de todos, silêncio é uma especialidade do vereador, que não contou para os comerciantes da cidade que o prefeito que ele defende com “unhas e dentes”, regulamentou uma tarifa sobre todas as transações financeiras de cartões de crédito e débito no município, obrigando os comerciantes a pagarem 5% sobre estas transações. Os empresários nem sabem disso e Pedro Pacheco também não vai falar nada, como de costume. Ao contrário do que dizia em seus discursos, esse tipo de cobrança em meio a atual dificuldade do comércio local, é um “conluio” de silêncio em favor de alguém, dos comerciantes com certeza não deve ser.

Certamente Pedro também não irá dizer que a câmara poderia ter questionado em meio a pandemia a cobrança da nova taxa, mas o prefeito não iria gostar disso não é verdade Pedro? Sequer ele tem coragem de pedir um estudo da questão, para saber quanto isso custará aos comerciantes e empresários da cidade de Estreito.

De acordo com o que apurou o blog, o vereador tem a família envolvida na atual gestão, seja seu irmão como assessor do prefeito ou empresas de parentes, que parecem não terem concorrência, pois passaram anos executando serviços para a prefeitura.

Uma sugestão: Bem que o vereador “Pedro Valentão”, digo Pedro Pacheco poderia fiscalizar os nomes, salários e até mesmo licitações no município. Cobrar do atual prefeito que priorize os cargos para os munícipes. Caso fizesse, saberia por exemplo, que há diversas investigações em curso contra a atual gestão. Perguntar não ofende: Porquê vossa excelência como fiscalizador não usa a tribunal da Câmara para denunciar os fatos? Ou vai continuar legislando em interesse próprio?

Nota do Blog

Quanto aos ataque a Imprensa, em especial ao Blog do Antônio Marcos, apenas reforça ainda mais a vontade de apuração de ilegalidades, chamando tais investigações para dentro do poder legislativo. Muito fácil querer dizer o que pode ou que não pode ser falado! Parece que esqueceu que seu telhado é de vidro, e bem fino!

Acompanhe o Blog do Antonio Marcos também no Facebook e no Twitter.

Deixe um comentário


9 − 8 =